Estudo chinês aponta segurança da vacina de São Paulo contra Covid-19

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 23, que um estudo feito em 50 mil pessoas na China indica a segurança da Coronavac, o imunizante contra a covid-19, desenvolvido em parceria pelo laboratório Sinovac com o Instituto Butantã. Segundo o governo de São Paulo, 94,7% dos voluntários não apresentaram qualquer efeito adverso – índice que se a equipararia a outras vacinas já amplamente usadas no Brasil, como a da gripe.

O resultado divulgado é referente a aplicação emergencial de 67.260 doses da Coronavac em um total de 50.027 pessoas, que foi autorizada pelo governo chinês para alguns grupos, como pacientes de risco e funcionários da Sinovac. Por sua vez, o estudo clínico – que é realizado em diferentes países ainda com alta transmissão, incluindo o Brasil – está em fase 3, ainda em andamento.  Só esta última pesquisa é que vai atestar ou não a eficácia da vacina.

Mesmo sem resultados clínicos conclusivos, a gestão Doria tem expectativa de conseguir iniciar a vacinação ainda na segunda quinzena de dezembro. Segundo o governo, São Paulo deve receber 60 milhões de doses até fevereiro.

De acordo com dados apresentados pela gestão, apenas 5,3% das pessoas que receberam emergencialmente a vacina na China apresentaram sintomas adversos – a maioria, no entanto, sem gravidade. Entre os efeitos colaterais, o mais comuns foram dor no local de aplicação (3,08%), fadiga (1,53%) e febre (0,21%). 

Destes, só quatro voluntários teriam apresentado quadros considerados mais graves. No grupo, teriam sido relatados sete efeitos colaterais, ao todo, que incluem falta de apetite, dor de cabeça e febre acima de 38,5ºC. 

“Esses resultados comprovam que a Coronavac tem excelente perfil de segurança e confirma a manifestação feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que a indicou como uma das oito vacinas mais promissoras do mundo”, afirmou Doria. “A vacina da gripe, por exemplo, apresenta efeitos adversos pouco nocivos em não mais do que 10% da totalidade das pessoas.”

Estudo clínico

Na apresentação, Doria chegou a afirmar que a Coronavac também teria demonstrado eficácia em 98% dos casos. O índice, na verdade, diz respeito à soroconversão calculada – ou seja, quantas pessoas teriam apresentado resposta imunológica ao coronavírus, mas ainda sem a garantia de que, de fato, a presença de anticorpos protege contra a infecção.

Presidente do Instituto Butantã, Dimas Covas disse que ainda é cedo para falar da eficiência. “O estudo de fase 3 está em andamento e os resultados são de conhecimento de quem controla o estudo, um organismo internacional”, afirmou. “Ainda não temos dados disponíveis sobre a eficácia. A partir do dia 15 de outubro, podemos ter os resultados de eficácia que permitirão o registro da vacina na Anvisa.”

No Brasil, os testes em voluntários de saúde começaram no dia 21 de julho. Segundo o governo, mais de 5,6 mil dos 9 mil médicos e paramédicos já teriam recebido a Coronavac, sem nenhum registro de reação adversa até o momento. A previsão é que todas as doses para a pesquisa sejam aplicadas até o próximo mês.

Após a administração das vacinas, os pacientes ainda são monitorados por um ano. Essa fase é importante para saber se há diferença de resultado entre o grupo em que o imunizante foi aplicado e o que recebeu placebo – para só então concluir sobre a eficácia.