Estado prepara rede de Saúde para futura vacinação contra a Covid-19  

Imagem: Reprodução

Segundo Governo Estadual de Minas Gerais, está sendo traçado um Plano de Contingenciamento de Imunização para a Covid-19, que tem o objetivo de se precaver para qualquer imprevisto. O Estado espera se estruturar para aplicação e armazenamento das doses em até 6 meses, além de dar assistência à população no pós-vacina.

Segundo o Governo de Minas Gerais, as ações estratégicas adotadas, antes mesmo de haver uma vacina aprovada, consideram uma possível corrida mundial para a aquisição de insumos referentes ao armazenamento e aplicação do imunobiológico quando for validado, causando aumento nos preços desses itens e a falta deles no mercado.

Planejamento

No planejamento estadual, está prevista a compra de seringas, que é um dos insumos que podem faltar quando a vacina estiver disponível. Outro processo em avaliação são os refletores para a Rede de Frio e câmaras de refrigeração para regionais e municípios – usadas no armazenamento das vacinas. Também estão sendo cotados os valores de aluguéis de contêineres para depósito das imunizações. O projeto prevê, ainda, a capacitação de profissionais e o diagnóstico das regionais.

Centros Especializados

Uma das medidas previstas no Plano de Contingenciamento é a implementação de Centros de Referência em Imunobiológicos Especiais (Crie) e Vigilância de Eventos Adversos Pós-Vacinação.

O Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais é o local em que são encontradas vacinas, imunoglobulinas e soros indicados em situações especiais, como pessoas com doenças ou condições especiais de saúde e que precisam de vacinas não contempladas no Programa Nacional de Imunizações ou profilaxias pós-exposição a animais e a material biológico. A intenção é estruturar um Crie estadual no Hospital Eduardo de Menezes, que servirá de referência para os demais estados.

Como Belo Horizonte já possui um Crie implantado atualmente, o Estado contará com 15 centros, a partir da definição e implantação desta nova política. Para isso, está em fase de elaboração edital para municípios interessados na implantação dos centros.

De acordo com o documento, a demanda de vacinas para a imunização da população contra a Covid-19 deve ser estimada, atentando-se para o quantitativo de doses necessárias para cada grupo prioritário da campanha. Deve-se primar pelo uso consciente, bem como ter disponíveis as vacinas no tempo certo em quantidade e qualidade desejável.