A pandemia da desinformação

Uma das maiores preocupações a respeito da pandemia causada pela COVID-19, é a “infodemia”, nome dado a chuva de informações, verdadeiras ou falsas, que recebemos a todo momento através da mídia tradicional e das redes sociais.

A desinformação, causada pela propagação das chamadas Fake News, pode ser motivada por diversos fatores, desde teorias conspiracionistas, interesses ideológicos e até mesmo financeiros.

Na Pandemia de Desinformação, notícias falsas se misturam com as verdadeiras, causando uma sensação de pânico e terror – seria o apocalipse? – e os efeitos não demoram a aparecer: Prateleiras de supermercado vazias porque as pessoas estão montando verdadeiros estoques em suas casas, assim como preços abusivos de itens básicos, que fazem o valor do auxílio emergencial, fornecido pelo governo, ser insuficiente para quem precisa sustentar a família.

“A gente vive numa sociedade super individualista e consumista. Temos um pensamento muito pouco coletivo e altruísta. Essa corrida ao supermercado chega a ser tragicômica. As pessoas estão sempre esperando o fim do mundo. Aí junta individualismo, consumismo, competição e uma cultura mundial absolutamente ansiosa que vive à base de medicação pra controlar esse estresse, essa combinação é bombástica. Junta com isso a virtualidade, fake news e uma manipulação de mercado. É um palheiro que tem tudo pra pegar fogo”, afirmou a psicóloga Vera Iaconelli em entrevista ao Café da Manhã da Folha de São Paulo, em março deste ano.

Empresas de tecnologia como Google, Facebook e Twitter têm trabalhado junto com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mostrando links para conteúdos da organização, tornando mas difícil encontrar informações falsas em buscas ou em noticiários. Em alguns casos, as empresas estão removendo o conteúdo completamente, como aconteceu nesta quarta-feira (05), quando o Facebook removeu um vídeo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No trecho de uma entrevista que Trump deu à Fox News, ele fala que crianças são “quase imunes” ao novo coronavírus.

Mesmo com os esforços de diversas organizações para minimizar os impactos da “Infodemia”, essa avalanche de informações, somada ao isolamento social, tem desencadeado crises de ansiedade, depressão e síndrome do pânico em muitas pessoas.

Mas o que fazer para aliviar a nossa mente desse caos que estamos vivendo?
Aí vai algumas dicas: Pesquise somente o básico, e acima de tudo, use uma fonte fidedigna. Procure distrair sua mente com boas músicas, bons filmes e livros, dando preferência para temas leves e relaxantes. Vale a pena lembrar que a saúde física e mental caminham sempre juntas.