No Aniversário de Curvelo, uma canção

Por Newton Vieira

“Todos cantam sua terra. Também vou cantar a minha.” (Casimiro de Abreu)

A propósito da data magna 15 de Novembro, aniversário da elevação do distrito-sede do Município de Curvelo à categoria de Cidade pela Lei 2.153/1875, tenho a alegria de divulgar, no vídeo anexo, a “CANÇÃO PARA O CURVELANO FORA DA TERRA NATAL”.

Trata-se de belo soneto escrito há anos pelo festejado poeta e filósofo Padre Celso de Carvalho, que detestava a expressão “curvelano ausente”. Para ele – e também para mim – onde quer que esteja, o curvelano de verdade nutre amor pelo seu povo, pelas suas tradições e, mesmo a distância, contribui para o desenvolvimento do lugar de origem. Aliás, já dizia Alfredo Marques Vianna de Góes, “ser curvelano é um estado de espírito”.
Padre Celso quis muito que alguém musicasse seu soneto “Ao Curvelano Fora da Terra Natal”. Pediu a Elói Faria que o fizesse. O tempo passou. Um dia, Elói transferiu a incumbência para mim. De início, pensei em recusar o trabalho, pois o considerei complicado demais, em virtude da estrutura do poema (dois quartetos + dois tercetos). Até que me lembrei de “Fanatismo”, soneto da imortal Florbela Espanca magnificamente musicado por Raimundo Fagner. Então, tendo como incentivo a composição do mestre cearense, passei uma madrugada trabalhando no soneto do Padre Celso. E consegui musicá-lo. Quando o Sol raiou, a missão estava cumprida. Assim nasceu a CANÇÃO PARA O CURVELANO FORA DA TERRA NATAL.
Espero que gostem. Viva Curvelo!